APÓS ACIDENTE, CASAL MORRE AFOGADO NA ZONA RURAL DE CAXIAS

Moradores do povoado Vila Nova, situado na zona rural de Caxias, encontraram na noite de sábado (25) os corpos de duas pessoas identificadas como Ailson Oliveira Chaves e Francisca Regina Sena, naturais da cidade de Timon. As vítimas estavam em um carro em uma área tipo lagoa. O casal estava desaparecido desde a Semana Santa.

Os moradores acionaram o destacamento da Polícia Militar no povoado Engenho D’Água. Policiais civis, as equipes do Instituto Médico Legal (IML) de Caxias e de Timon, do Instituto de Criminalística (ICRIM) de Timon, e Corpo de Bombeiros também participaram do resgate, que foi coordenado pelo delegado regional da Polícia Civil Jair Paiva.

“A água abaixou e o carro ficou à mostra. Não recebi laudo ainda, mas em conversa informal com o pessoal da perícia, a princípio, as mortes foram por afogamento; não há nos corpos indicativos de morte por tiro, facada ou pescoço quebrado. As investigações prosseguem”, explica o delegado Jair Paiva.

Fonte: Noca

PROMOTORIA MILITAR ABRE INVESTIGAÇÃO SOBRE USO ELEITORAL DA ESTRUTURA DA PM POR FLÁVIO DINO

O 2ª promotor de Justiça Militar, Clodomir Bandeira Lima Neto, respondendo pela 6ª Promotoria de Justiça Especializada de São Luís, determinou a instauração de procedimento preparatório para apurar o uso eleitoral da estrutura da Polícia Militar do Maranhão pelo governo Flávio Dino (PCdoB).

As investigações foram abertas desde o último dia 15, com base em documentos encaminhados pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) no Maranhão, relacionados à chamada Farra dos Capelães.

Segundo procedimento aberto no ano passado no âmbito da PRE-MA, o comunista é suspeito de haver utilizado a estrutura da Polícia Militar, ao longo de seu primeiro mandato à frente do Palácio dos Leões, por meio da nomeação de líderes religiosos como capelães da PM em troca de apoio político para a sua campanha eleitoral à reeleição, no pleito de 2018.

Os capelães, ainda segundo o procedimento no Parquet eleitoral, são suspeitos de haver realizado propaganda pessoal de Flávio Dino com recursos públicos, caracterizando, em tese, abuso do poder religioso.

Tais fatos, sob o viés das atribuições desta Promotoria de Justiça, podem configurar violação aos princípios constitucionais relacionados aos Militares (CF, art. 42, § 1º) e Forças Armadas (CF, art. 142, § 3º, inc. V) e, em última instância, violação dos princípios constitucionais incidentes sob a Administração Pública, caracterizando, portanto, ato de improbidade administrativa a exigir medidas que se encontram no rol de atribuições desta Promotoria”, ressalta Clodomir Neto na portaria que instaurou o procedimento preparatório.

CASSAÇÃO DO MANDATO

Paralelo ao procedimento aberto pela Promotoria de Justiça Militar, tramita no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) sobre o mesmo assunto, sob a iminência de cassação do mandato e inelegibilidade do governador e demais envolvidos.

Neste processo, já avançado na fase das oitivas de testemunhas, são réus, além do próprio Flávio Dino, o vice-governador Carlos Brandão (PRB), os senadores Weverton Rocha (PDT-MA) e Eliziane Gama (Cidadania-MA), o secretário estadual de Segurança Pública Jefferson Portela e o chefe do Centro Integrado de Operações de Segurança, Jorge Luongo.

Fonte: Atual7

 

PROMOTORIA PEDE BLOQUEIO DE BENS DE R$ 2,6 MILHÕES DO EX-PREFEITO DE BALSAS

Irregularidades em contratos firmados em 2015 pela Prefeitura de Balsas para transporte escolar levaram o Ministério Público do Maranhão (MPMA) a ajuizar, em 17 de maio, uma Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa, requerendo a indisponibilidade dos bens de cinco pessoas, incluindo o ex-prefeito Luís Rocha Filho, até o valor de R$ 2,67 milhões.

Além do ex-prefeito, na ação – assinada pelo promotor de justiça Lindomar Luiz Della Libera -, também são citados como requeridos a ex-secretária de Educação, Ana Lúcia Bastos; a servidora da prefeitura Valdenira Reis; o controlador-geral do Município, Franco Suzuki, e o ex-pregoeiro municipal, Francisco Bruno Santos.

A manifestação ministerial é baseada no Inquérito Civil nº 02/2017 e nas ilegalidades observadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) no procedimento licitatório, que resultou na contratação da empresa GCS Equipamentos e Construções Ltda. – EPP.

As ilegalidades constatadas referem-se à falta de termo de referência, orçamento e estimativa de custos unitários; ausência de informações sobre a dotação orçamentária e inexistência de publicação em jornal de grande circulação (o que somente foi realizado no Diário Oficial).

Também foi observada a subcontratação dos veículos, sem contrato para tal. Os veículos não tinham documentação, cintos de segurança e identificação de transporte escolar e alguns motoristas não possuíam habilitação.

Fonte: Neto Ferreira

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTÁ DE OLHO EM “ROCHINHA”, IRMÃO DO SENADOR ROBERTO ROCHA QUE JÁ FOI PREFEITO EM BALSAS

Irregularidades em contratos para transporte escolar firmados em 2015 pela gestão do então prefeito Luis Rocha Filho, o Rochinha, levaram o Promotoria de Justiça de Balsas a ajuizar, no último dia 17, ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito e outras quatro pessoas.

De acordo com a assessoria do Ministério Público do Maranhão, a ação é baseada no Inquérito Civil nº 02/2017 e em ilegalidades observadas no procedimento licitatório pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE)

Além de Rochinha, os outros acionados são a ex-secretária de Educação, Ana Lúcia Bastos; a servidora da prefeitura Valdenira Reis; o controlador-geral do Município, Franco Suzuki, e o ex-pregoeiro municipal, Francisco Bruno Santos. A vencedora do certamente e contratada ilegalmente, GCS Equipamentos e Construções Ltda. – EPP, segundo divulgação do MP-MA, não foi acionada.

Assina a ação o promotor de Justiça Lindomar Luiz Della Libera.

O Ministério Público diz que as ilegalidades constatadas referem-se à falta de termo de referência, orçamento e estimativa de custos unitários; ausência de informações sobre a dotação orçamentária e inexistência de publicação em jornal de grande circulação.

Também foi observada a subcontratação dos veículos, sem contrato para tal. Os veículos não tinham documentação, cintos de segurança e identificação de transporte escolar e alguns motoristas não possuíam habilitação.

Foi verificado, ainda, que o edital foi omisso quanto a itens como a eventual contratação de veículos com motoristas; informações sobre as rotas e a conformidade dos veículos com as determinações do Departamento Nacional de Trânsito.

No que se refere à fiscalização dos contratos, a supervisora Valdenira Reis não forneceu informações sobre a licitação e não tinha documentação, o que leva à ideia de que ela foi nomeada somente para cumprir uma formalidade.

Quanto ao controlador-geral do Município, Franco Suzuki, (que exercia este cargo à época), foi constatado, pelo TCE-MA, que ele não cumpria as atribuições próprias do cargo.

Devido às ilegalidades, a Promotoria de Justiça de Balsas requer, liminarmente, a indisponibilidade de bens dos envolvidos, até o valor de R$ 2,67 milhões, para ressarcir os danos. Também a suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano.

As punições incluem, ainda, a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.

Fonte: Atual7

A CASA CAIU: POLICIAIS MILITARES SÃO PRESOS SUSPEITOS DE INTEGRAR QUADRILHA DE ASSALTANTES DE CARGAS EM CAXIAS E SANTA INÊS

Dois policiais militares estão entre os presos na 2ª fase da Operação Cargas deflagrada nesta quinta-feira (30) pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO) da Polícia Civil do Estado do Piauí. Os PMs presos são suspeitos de participação em assaltos no Piauí e Maranhão.

No total, cinco suspeitos foram presos na operação, sendo um em Fortaleza-CE.

Eles foram identificados como Wanderley Rodrigues da Silva, cabo da PM; o pai de Wanderley, que não teve a identidade divulgada; Bruno Costa de Oliveira, soldado da PM; Josué Oliveira Santos, funcionário de uma transportadora em Teresina; e Adolfo Cícero de Alencar Neto.

No Piauí, desde o fim do ano passado, vem sendo registrado uma série de crimes envolvendo roubo a mercadorias. Em dezembro, cerca de 100 TVs e celulares foram recuperados após terem sido levados do depósito de uma loja. Em janeiro deste ano, o gerente de uma loja de departamento em Teresina foi sequestrado e levado a um depósito para liberar celulares e TVs. Em fevereiro, o Greco apreendeu uma carga de café e leite em pó roubada e avaliada R$ 1 milhão.

Os policiais militares presos atuavam na “linha de frente nos assaltos” e recebiam cerca de 50% do valor roubado. Em entrevista coletiva, o delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, informou que, no momento da abordagem, o cabo W. Silva ameaçou os policiais e disse que “atirava se tivesse um fuzil”.

No momento da abordagem foram apreendidas três armas de fogo, dinheiro, entre outros objetos.

Os PMs entravam realizando as abordagens e aproveitavam que podiam utilizar arma de fogo para passar despercebido por abordagens policiais, se utilizando dessa condição para praticar os assaltos. Eles também realocavam o material em depósitos específicos. Após isso, comercializavam a carga para terceiros e saíam distribuindo todo o dinheiro”, disse o delegado Gustavo Jung, presidente do inquérito.

As investigações constataram que W. Silva e Bruno organizavam e escutavam roubos de cargas nas regiões de Caxias e Santa Inês no Maranhão. Constatou-se que Josué, funcionário de transportadora, passava informações privilegiadas para Abimael (preso em janeiro deste ano) e este indicava para seus comparsas qual caminhão ou empresa assaltar. Já o Adolfo ajudava na logística dos roubos“, completa o coordenador do Greco, delegado Tales Gomes.

Gustavo Jung acrescenta que W. Silva também teria tido participação no sumiço de R$ 300 mil do Banco do Nordeste, em dezembro de 2017. Em 2018, o PM se envolveu em uma briga e acabou disparando contra o cantor Saulo do Gado.

Cada um tinha uma função específica. Um era responsável pelas informações dentro da transportadora que repassava para quem ia fazer as abordagens e estes entregavam o material para quem aguardava no depósito. Aos poucos, o material ia sendo retirado em carros menores para não serem percebidos. De fato, a organização criminosa está bem configurada”, disse Jung.

Os presos serão indiciados por roubo e organização criminosa.

Com informações do Cidade Verde, Gilberto Lima

CÉSAR PIRES MOSTRA SITUAÇÃO DA MA-204 E COBRA PROVIDÊNCIAS DO GOVERNO DO MARANHÃO

A precariedade da malha viária do Maranhão mais uma vez foi registrada em vídeo pelo deputado César Pires, desta vez na MA-204, que liga São José de Ribamar aos municípios de Paço do Lumiar e Raposa. Autor de um pedido de convocação do secretário de Infraestrutura Clayton Noleto rejeitado na Assembleia Legislativa, o parlamentar voltou a criticar a qualidade das obras realizadas e a falta de resolutividade do governo estadual na manutenção das MAs.

A MA-204 foi recuperada ano passado e hoje já está intrafegável. É por essa razão que o secretário Clayton Noleto se negou a prestar esclarecimentos à Assembleia Legislativa, porque o governo precisa explicar como gastou dinheiro público e a rodovia estadual continua nesse estado precário”, ressaltou César Pires.

O deputado fez registros semelhantes da MA-315, entre os municípios de Paulino Neves e Barreirinhas, e da MA-020, entre Vargem Grande e Coroatá. “São rodovias estaduais em que o governo realizou obras recentemente e que estão intrafegáveis, ameaçando a segurança de pedestres, motoristas e passageiros. Como explicar a péssima qualidade desses serviços?”, questionou ele.

César Pires afirma que, enquanto o governo se nega a dar esclarecimentos à Assembleia Legislativa, que tem a obrigação de fiscalizar o Executivo, ele continuará cobrando providências para que o governo estadual melhore as condições de tráfego nas rodovias estaduais do Maranhão.

                                                        ASSISTA AO VÍDEO ABAIXO:

“PARECE QUE A TEMPORADA DE MENTIRAS PRÉ-ELEITORAIS ESTÃO CHEGANDO MAIS CEDO” DIZ RICARDO TORRES AO RESPONDER MATÉRIA SOBRE IRREGULARIDADE EM PRESTAÇÃO DE CONTAS

O pequeno texto abaixo foi enviado ao BLOG DO DE SÁ por Ricardo Torres, ex-secretário de Zito Rolim logo após republicarmos uma matéria feita por Acélio Trindade em seu renomado blog.  A postagem fala que o  Ministério Público, por meio da 1ª Promotoria de Justiça com atuação em Codó, instaurou dois procedimentos com o intuito de acompanhar a execução de multas estipuladas pelo Tribunal de Contas do Estado contra ex-gestores, ex-secretários municipais.

Bom dia, Leandro. 

Eis  está verdade.

Essas contas de 2009 foram julgadas REGULARES pelo próprio Tribunal de Contas do Estado em Recurso julgado em 2017.

Parece que a temporada de mentiras pré eleitorais está chegando mais cedo…

Ainda bem que temos profissionais de imprensa que respeitam o direito de resposta“.