EM ESPERANTINÓPOLIS, REPORTAGEM DA RECORD MOSTRA OBRAS INACABADAS NA ZONA RURAL DA CIDADE

O sonho das comunidades Palmeiral e Bom Princípio de receber pavimentação asfáltica tem, aos poucos, se tornado numa imensa frustração. Grandes expectativas foram criadas, mas a qualidade da obra tem se revelado péssima e distante do que foi celebrado entre a prefeitura de Esperantinópolis e a CODEVASF (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba).

No valor de 943 mil reais para o asfaltamento de 1.958 metros nas comunidades referidas, a execução não está de acordo com o plano de trabalho celebrado no contrato do convênio, o que fez com que o prefeito Aluisinho incorresse nos crimes de improbidade administrativa e de responsabilidade. No plano de trabalho estabelecido que está disponível no site da caixa econômica, nos dois povoados deveria ter meio fio; sarjeta e a sinalização vertical e horizontal das vias públicas. Mesmo o prefeito tendo recebido todo o recurso, fez a licitação da obra que foi vencida por uma empresa sediada no município de Bom Jardim, que nunca apresentou um funcionário sequer, nem maquinários. Na verdade, quem executou a obra foi a construtora do prefeito usando em parte o maquinário do município de Esperantinópolis, e o asfalto foi comprado na empresa do ex-prefeito Valdemar da Serraria, de Lago dos Rodrigues.

A terraplanagem foi aproveitada ainda da gestão do ex-prefeito Dr. Raimundinho, feita há mais de três anos. Já sobre a imprimação, conforme constatado por fotos e vídeos, foi muito mal feita, sendo que em alguns setores não houver a colocação de pinche, aplicando a massa asfáltica diretamente no barro, o que é visível em muitos pontos o asfalto se desprendendo do barro. Com relação à sarjeta, que é a canalização das águas pluviais, é importante para que evite a erosão da via pública. Conforme consta no plano de trabalho, a sarjeta, meio fio e sinalização correspondem a 42% dos gastos da obra, quase a metade do valor do investimento. Mas não houve a devida execução da obra com sarjetas, meio fio e sinalização, ou seja: 396 mil reais não foram aplicados na obra, e a população quer saber do prefeito onde foi parar esse dinheiro.

O prefeito Aluisinho do Posto (PTB) inaugurou a obra em junho de 2019, dando-a por concluída ao prestar conta, sem observar e cumprir o plano de trabalho. Resultado: a obra permanece inacabada, apesar da totalidade do recurso ter sido sacado. Não há meio fio, sinalização e sarjeta em nenhum ponto da obra. A população, antes tão ansiosa pela obra, hoje começa a sofrer com a incorreta aplicação do recurso do convênio.

Os vereadores de oposição vão entrar com ações e representações judiciais e administrativas para combater essa prática criminosa que vêm sendo reiterada pelo prefeito em várias obras entregues a população.

Veja a reportagem na íntegra que revela mais uma obra inacabada e de péssima qualidade do prefeito de Esperantinópolis:

 

Um comentário em: “EM ESPERANTINÓPOLIS, REPORTAGEM DA RECORD MOSTRA OBRAS INACABADAS NA ZONA RURAL DA CIDADE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *