CCPJ CODÓ DESENVOLVE ESTRATÉGIA DE RESSOCIALIZAÇÃO

augemas

Foto Ilustrativa

A Secretaria de Estado da Justiça e da Administração Penitenciária (Sejap), por meio da Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) do município de Codó, está realizando o levantamento da situação carcerária dos detentos para garantir o cumprimento dos prazos de execução das penas. Estão sendo realizadas, também, as ações de ressocialização com atividades de trabalho, tem mudado a rotina naquela unidade.

De acordo com o diretor Amaury Chaves, por iniciativa do agente penitenciário e técnico agrícola Milton Guimarães, a CCPJ Codó agora conta com uma horta, onde são cultivadas todo tipo de hortaliças. O trabalho de plantio, manutenção e colheita é realizado pelos internos que têm descoberto nesta atividade uma vocação. “A atividade proporciona atividades educativas e valoriza o trabalho, o que gera benéficos e diminui a pressão do confinamento”, afirmou Amaury.

Atualmente, a CCPJ Codó tem uma população carcerária que varia de 69 e 74 detentos, entre sentenciados e provisórios. Segundo Amaury, uma parte deles está trabalhando na horta penitenciária, outros estão realizando serviços de capina, reparos nas instalações elétrica e hidráulica e melhorias na estrutura física do prédio. “Com isto, eles estão ocupando positivamente o tempo, desenvolvendo outras habilidades e também podem contar com o benefício da remissão de pena. Ou seja, para cada 03 dias trabalhados, menos 01 dia de confinamento”, afirmou.

As atividades propostas aos detentos e os novos procedimentos adotados na unidade tem recebido elogios do juiz da comarca, de defensores públicos e da promotoria de justiça local. “Além disso, os internos têm acreditado no trabalho que estamos realizando e nos ajudado a manter a tranquilidade na Central”, frisou Chaves.

Para o secretário de Estado de Justiça e Administração Penitenciária, Sebastião Uchôa, é importante melhorar a estrutura física da unidade e apoiar as atividades de ressocialização. Para isto, já foi elaborado projeto de engenharia que prevê a construção de 20 celas, além de espaços administrativos com o objetivo de alojar adequadamente os internos e proporcionar melhores condições de trabalho aos servidores. Outra meta de Uchôa é aumentar o número de agentes penitenciários.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *