COROATÁ REGISTRA 3 CASOS DE MICROCEFALIA

356bf98d3d4db9479488dbe82b62cf67-640_427

Imagem ilustrativa

Até a quinta-feira, 24 de dezembro, o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), confirmou 87 casos de bebês com microcefalia em 43 cidades no Maranhão. Coroatá está entre as cidades, e o número de casos requer atenção especial.
A informação foi divulgada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), que confirma a morte de uma criança com a anomalia em São José de Ribamar.

Os casos ocorreram nos municípios de Açailândia (1), Aldeia Altas (1), Axixá (1), Barra do Corda (3), Buriticupu (6), Buritinara (1), Campestre (1), Carolina (1), Caxias (1), Chapadinha (1), Codó (1), Coroatá (3), Davinópolis (1), Dom Pedro (2), Esperantinópolis (1), Grajaú (1), Humberto de Campos (1), Icatu (1), Imperatriz (5), João Lisboa (1), Loreto (1), Mata Roma (1), Miranda (1), Paraibano (2), Pedreiras (1), Pio XII (1), Presidente Dutra (2), Presidente Vargas (1), Rosário (1), Santa Inês (2), Santa Rita (1), Santo Antônio dos Lopes (1), São Domingos do Azeitão (1), São Francisco do Brejão (1), São João dos Patos (2), São José de Ribamar (5), São Luís (22), Senador La Roque (1), Timon (2), Trizidela do Vale (1), Turiaçu (1), Urbano Santos (1) e Viana (1)

Fonte: Coroatá Online

Um comentário em: “COROATÁ REGISTRA 3 CASOS DE MICROCEFALIA

  1. É altamente recomendável que se evite a gravidez no momento. Infelizmente muitas mulheres carentes não tem acesso à informação e a métodos anticoncepcionais.

    Médicos recomendam que mulheres evitem gravidez
    Ministério da Saúde já registrou, em pouco mais de três meses, 399 casos de recém-nascidos com microcefalia

    O diretor de vigilância de doenças transmissíveis no Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, diz que é “altamente provável” que o surto de microcefalia tenha relação com uma possível infecção das gestantes pela zika vírus, doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti.

    Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o infectologista Artur Timerman, presidente da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, desaconselha as mulheres a engravidarem agora, mesmo aquelas que moram em regiões sem surtos de zika.

    O presidente eleito da Federação dos Ginecologistas e Obstetras, Cesar Fernandes, ressalta que as mulheres que moram em regiões endêmicas para zika devem adotar “uma anticoncepção efetiva”. Já nas demais regiões “o princípio da precaução deve ser adotado”.

    O ministro da Saúde, Marcelo Castro, disse nesta quarta-feira, 18, que as mulheres que querem engravidar devem avaliar os riscos junto com a família e médicos.

    http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/medicos-recomendam-que-mulheres-evitem-gravidez/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *