DOCUMENTOS MOSTRAM QUE SOBRINHO DE RICARDO MURAD, MONTOU ESQUEMA PARALELO PARA DESVIAR E LAVAR VERBA DA SAÚDE

image-19

Rômulo Trovão

O esquema montado pelo ex-secretário de Saúde, Ricardo Murad, no âmbito da Secretaria de Saúde do Maranhão teve desdobramentos. Em um “mundo paralelo”, o sobrinho do ex-gestor, Rômulo Trovão, também conseguiu montar a sua teia criminosa para obter vantagens ilícitas na Saúde.

Documentos obtidos pelo Blog do companheiro Neto Ferreira revelam que Trovão atuou de maneira oculta na SES entre os anos de 2010 e 2014, uma vez que, à época, era proibido de contratar com o Poder Público.

Segundo a Polícia Federal, o sobrinho de Murad usou “laranjas” e empresas para desviar e lavar dinheiro público.

De acordo com os autos, Rômulo Trovão é, de fato, o dono das empresas Tempo Engenharia e Arquitetura e da Kamaha Engenharia, mas o seu nome não aparece como sócio em nenhuma das empresas. Ambas prestaram serviços para SES durante a gestão de Murad e foram doadoras de campanha em Coroatá nas eleições de 2010, 2012 e 2014.

Conforme a PF, a Tempo recebeu R$ 10,6 milhões da Associação do Bem Viver e do Instituto de Cidadania e Natureza entre os anos de 2010 e 2013.

O empresário é, ainda, proprietário da A.G. Serviços de Fitness Saúde Ltda (Academia Personal Group), onde ele dissimulou a origem do dinheiro por meio de investimentos. A PF descobriu, também, que Trovão dissimulou valores na empresa Buna e Barcelar (Escola Crescimento Calhau) na quantia de R$ 1.835.028,74 milhão, que é de propriedade de sua esposa Daniela Nogueira Bruna (saiba mais).

Além de todas essas irregularidades, o empresário usou como “laranja” em suas negociatas o dono da Vip Car, Joelson Pereira, que adquiriu carros e fez depósitos constantes para Rômulo Trovão. Veja o esquema montado pela dupla:

Os documento apontam que, por meio das empresas, o sobrinho de Ricardo Murad superfaturou valores dos contratos de manutenção predial em várias unidades hospitalares durante os anos de 2010 a 2014, dissimulou a prestação de serviços a Bem Viver e ao ICN, apropriou-se de dinheiro público federal; efetuou saque de R$ 100 mil da conta bancária da Serviços Diagnóstico Médico por Imagem São Luís, mesmo sem possuir vínculo societária ou empregatício na referida empresa.

Ricardo Murad e Rômulo Trovão estão no bojo do inquérito policial que apura desvios de milhões da Secretaria de Saúde durante o governo Roseana Sarney. Em novembro de 2015, ambos foram alvos da operação Sermão aos Peixes, que foi deflagrada pela Polícia Federal.

Operação57-e1487017193857-768x576

Documento

Operação23-768x1024

documento

Operação51-768x1024

documento

Fonte: Neto Ferreira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *