EM CAXIAS, CAMINHONEIRO É PRESO ACUSADO DE ALICIAR DUAS CRIANÇAS

Um caminhoneiro de 52 anos foi detido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), por volta das 12h10 de segunda-feira (19), suspeito de aliciar duas crianças em Caxias.
De acordo com a PRF, a abordagem policial partiu da denúncia de que um caminheiro havia tentado aliciar duas meninas menores de idade, de 10 e 12 anos, no pátio de um posto de combustíveis no Km 552 da BR-316.
Ao se deslocar para o local, a PRF localizou o suspeito. Nesse momento, os policiais rodoviários ligaram para o denunciante, de 50 anos, pai das meninas, que confirmou as informações.
O suspeito confirmou à PRF que viu as meninas, mas que não tinha falado nada de mais para elas.

Foi feito contato com o Delegado de Plantão da Polícia Civil e solicitado para levar todos os envolvidos à delegacia para prestarem esclarecimentos.
Na delegacia, o pai das menores informou que se encontrava no pátio do posto de combustíveis fazendo limpeza e manutenção do seu ônibus com suas filhas, quando desceu para conectar os cabos da bateria do veículo e as meninas ficaram dentro da cabine do ônibus com a porta aberta fazendo a limpeza. O caminhão parou do lado do ônibus. O pai continuou no local e escutou quando o caminhoneiro estava conversando com suas filhas e as observando, inclusive chamando-as para ir para o seu caminhão.

As filhas se dirigiram assustadas ao pai e contaram que o suspeito havia parado o caminhão, ficou olhando para elas e proferiu as seguintes citações: “bora limpar minha cabine também”; “entra aqui comigo no meu caminhão“. As meninas disseram que recusaram o convite do caminhoneiro e ele insistiu, olhando para as pernas delas e sorrindo. O pai se levantou e o suspeito o viu e se evadiu do local. Logo após, o pai ligou para a PRF e efetuou a denúncia.

A ocorrência foi encaminhada para o Plantão da Polícia Civil de Caxias. Diante das informações obtidas foi constatada, a princípio, ocorrência de aliciar, assediar e instigar por qualquer meio de comunicação, criança, com o fim de com ela praticar ato libidinoso.

Fonte: João Lopes

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *