ENTENDA: DELEGADO REGIONAL DE CODÓ RÔMULO VASCONCELOS ESTÁ COM UMA BATATA QUENTE NAS MÃOS

images

Rômulo Vasconcelos

É do conhecimento de muita gente que a segurança pública do Estado do Maranhão vai de mal a pior. Seria necessário muita coisa para que isso viesse a melhorar em todo o nosso estado. Em Codó, por exemplo, a situação não é diferente de muitas outras cidades do estado. Aqui os delegados encontram dificuldades para tudo quando o assunto é segurança pública. Uma das maiores dificuldades seria a construção de um presídio, coisa que já vem sendo propagada pelo estado há muitos anos, mas até hoje não saiu do papel. Isso deixa os delegados de mãos atadas, sem puder fazer muita coisa, até mesmo alguns casos simples deixam de ser resolvidos.

FUGAS E MAIS FUGAS NA DELEGACIA REGIONAL.

Só nos últimos dias aconteceram duas fugas na delegacia regional da cidade. Na primeira, 8 presos conseguiram escapar. Na segunda, que aconteceu no final de semana passado, mais noves presos fugiram, e até agora apenas três foram recapturados pela polícia. A fragilidade no sistema prisional do estado do Maranhão é algo que precisa ser visto com mais rigor pelo governo.

NÃO É CULPA DOS DELEGADOS.

Não adianta querermos culpar os delegados por tanta precariedade no sistema prisional na cidade de Codó. Seria culpa dos delegados a não recuperação dos presos que fugiram? Lógico que não. Delegacia não é lugar para guardar presos, lugar de guardar presos é presídio. Mas como em Codó ainda não existe um presídio, os delegados se sentem na obrigação de colocar presos na delegacia, coisa que para o estado parece ser bem normal. Só mesmo quem trabalha com isso sabe o que significa.

Mesmo assim, a sociedade, na maioria das vezes, comete equívocos quando testemunha um delegado liberar um preso com várias passagens pela polícia e que representa perigo para sociedade. Mas também não é papel de um delegado manter um preso em delegacia se não existe um local adequado para que ele possa ficar preso e depois de cumprir pena voltar ao convívio da sociedade e se comportar como uma pessoa de bem. Portanto, não é fácil para quem trabalha em segurança pública ter que se desdobrar de todas as formas sem estrutura e ainda ter que aguentar a pressão da sociedade, que muitas vezes, desconhece o que acontece.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *