PERDA: MONSENHOR HÉLIO MARANHÃO QUE TRABALHOU EM CODÓ NA DÉCADA DE 80 MORRE EM SÃO LUIS AOS 85 ANOS

helio-maranhao

Monsenhor Hélio Maranhão

Aos 85 anos, faleceu na noite desta segunda feira (09), em São Luís, Monsenhor Hélio Maranhão, o “Pastor de Tutoia” como gostava de ser chamado. Hélio Maranhão encontrava-se internado a alguns dias, tendo um agravamento no seu estado de saúde, não resistindo e vindo óbito.
Era capelão da Polícia Militar do Estado, no posto de tenente-coronel.
O padre era natural de Barra do Corda e dizia que havia um motivo especial em comemorar seu aniversário em Tutóia dizendo se sentir filho também dessa cidade pelos serviços que ali prestou.
Ano passado, comemorou, naquela cidade a passagem dos seus 84 anos. Além das homenagens da escola Almeida Galhardo, que fundou, o Padre também recebeu homenagens da ACALT-Academia de Ciências, Artes e Letras de Tutóia (que ele também fundou) através de sua Presidente Rita Damasceno e dos demais membros e de alguns dos primeiros alunos do Almeida Galhardo. Recebeu ainda reconhecimentos de um Sargento William da PM-MA e Diácono da Igreja e que o acompanha na Capelania da Policia Militar em São Luis.
Um pouco de sua História: O monsenhor Hélio Maranhão nasceu no dia 27 de maio de 1930, em Barra do Corda.
Antes de ser capelão militar, foi nomeado capelão pelo Papa Pio VI.
“Fui o primeiro padre mandado a Roma para estudar Teologia”, contou o monsenhor. Em Roma, foi eleito presidente da Academia Bento Inácio de Azevedo – transformada em Centro de Estudos e Debates Teológicos no Seminário Rio-Brasileiro.
Para quem não sabe, ele fundou as Comunidades Eclesiais de Base, nas brancas areias de Tutóia, em 1965, no calor do período que se seguiu ao golpe militar de 64.
Monsenhor Hélio Maranhão é o mais idoso capelão militar, hoje na ativa, no Maranhão, no Brasil, nas Américas e no mundo. Há quase 31 anos, ele é capelão do papa, que o nomeou para ser um de seus capelães, a pedido de Dom Afonso de Oliveira Lima, primeiro bispo de Brejo.
Autor das Comunidades Eclesiais de Bases – CEBs e de belíssimos artigos, logo foi reconhecido e eleito membro da Academia Barra-cordense de Letras, da Academia Maranhense de Letras e da Academia de Ciências, Artes e Letras de Tutóia, pois como possuidor de uma linguagem fácil, a cada artigo e obra que nos ofereceu e nos oferece mostra o seu verdadeiro valor como imortal.

Fonte: Blog do Djalma Rodrigues

Um comentário em: “PERDA: MONSENHOR HÉLIO MARANHÃO QUE TRABALHOU EM CODÓ NA DÉCADA DE 80 MORRE EM SÃO LUIS AOS 85 ANOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *