O JOGO É BRUTO: COMO A POLÍTICA É MALVADA

IMG_4622

Foto tirada pelo correio codoense

Tem um ditado que diz “Quem não sabe assar queima”. Essa máxima é bem conhecida e refere-se àquelas pessoas que não tem costume com uma coisa e depois acabam se enrolando. E aqui vamos citar o nome do ex-presidente da Câmara de Vereadores de Codó, Antonio Saruê. A política nos faz passar por cada uma. E por isso muitos políticos que não sabem fazer o jogo acabam saindo da vida pública.
Quando um político se elege e não tem o conhecimento de como funciona o “jogo”, e por outro lado encontra dificuldade para entender as coisas, é necessário ter alguém que lhe oriente sobre as jogadas que a política exige. E jogar é coisa que nosso velho amigo Saruê não soube fazer. Além disso, o político precisa ter uma família equilibrada e, sobretudo, que seja firme e tenha o discernimento de tudo que esteja acontecendo ou que possa vir a acontecer, como por exemplo, acertos políticos, saber tratar bem as pessoas, ter equilíbrio sobre os possíveis adversários que venham importunar etc.

O HOMEM DA ROÇA.

Lembro-me bem que Antônio Saruê tinha um discurso bem conhecido na Câmara de Vereadores de Codó “Eu sou um homem da roça e falo a língua do povo” dizia ele. Mas não sabemos até que ponto o ex-vereador queria falar a “língua do povo”. Caso isso tivesse se repetido o povo estaria muito mal representado, se seguisse a linguagem de Antônio Saruê. A política é feita para os espertos, para os desenrolados e justamente para aqueles que sabem fazer o jogo acontecer. E foram todas essas artimanhas que Saruê não soube fazer, e foi expurgado da vida pública.

ANTONIO ZAIDAN E FIGUEIRDO JÚNIOR

Outros dois ex-vereadores de Codó que não souberam fazer o “jogo” foram Antônio Zaidan e Figueiredo Júnior. Esses dois ex-parlamentares não são vistos com frequência pelas ruas de Codó. Na política, se eleger é difícil, mas o mais difícil ainda é se reeleger e se manter na vida pública. Para isso é necessário ter jogo de cintura e, sobretudo, estar sempre buscando bons aliados, e não apenas ficar ladeado daquelas “puxa-sacos” que nada acrescentam, mas sim diminuem, como é caso de muitos políticos de Codó.

9 comentários em: “O JOGO É BRUTO: COMO A POLÍTICA É MALVADA

  1. Gostaria de dizer ao blogueiro q respeito a sua opinião como sempre fiz na minha vida inteira, embora não concorde. Saiba q qnd entrei na vida pública em 1996, sempre soube q o mandato de vereador como qualquer cargo eletivo tem uma duração prevista e q jamais iria se perpetuar. Fui vereador por três mandatos, presidente da câmara municipal e diretor do HGM por 4 anos. Sou o vereador a obter o maior número de votos em uma eleição da história de Codó e com certeza um dos mais atuantes dentre os q já passaram pela câmara, o único da história a ter uma lei municipal a ser tranformada em uma lei federal o único diretor do HGM a ser lembrado até hj em qualquer canto da cidade. Fiz o meu melhor enquanto o povo me permitiu isso, tanto q tenho a sensação do dever cumprido de ter contribuido para o desenvolvimento do meu município. Não construir fortuna por q nunca foi esse o meu objetivo com a política, mas com certeza tenho um legado q ninguém pode apagar, basta olhar os logradouros públicos pintados com as cores da bandeira municipal, isso só pra citar um exemplo. Não tenho satisfação a dar da minha vida pra ningué, mas já q vc está tão encomodado com a minha ausência seu blogueirosinho: Vc não me ver andando pelas ruas de Codó, por q sempre trabalhei e continuo trabalhando pra sustentar minha família e q tenho uma fortuna q é intangível para qualquer homem e o mesmo pode leva-lá para onde for: sou Bacharel pós graduado. Trabalho duro para não precisar tá tentando denegrir a imagem de pessoas do bem e pais de família sério para ganhar o meu pão de cada dia. Um Abração em todos os codoenses.

  2. Humildade é uma coisa, analfabetismo politico é outra coisa, o senhor Antonio Morais Cardoso vulgo Saruê assim como os outros ex presidentes citados no texto do blogueiro foram invenção politica de Biné Figueiredo e eleitos com a maquina da prefeitura, dos três o menos ruim e mais preparado é o Figueiredo Junior que caiu com o tio devido a impopularidade e arrogância do pai, os outros foram vitimas do despreparo, da falta de orientação, e da arrogância, achavam que podiam tudo, que eram impunes, não respeitaram o povo e subestimaram os caciques políticos, tai o resultado, de poderosos a quase anônimos, o poder passa e pode ser cruel com aqueles que não souberam preservar amizades verdadeiras. Tem gente na nova legislatura que tem que botar a barba de molho e respeitar o povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *