POR GLAUBER FRAZÃO: É PRECISO AVANÇAR

1924456_802715746409211_2073237649_n

Glauber Frazão

Depois de alguns acontecimentos recentes, pus-me a pensar e a me perguntar.

Em Timbiras nada evolui, vivemos nessa infernal transição entre o atraso e um desenvolvimento que não chega nunca, é muita expectativa, promessa, politicagem.

Quando é mesmo que Timbiras irá crescer e se desenvolver?

Essa resposta é uma incógnita.

No entanto, para aqueles que se opõem ao atual modelo de gestão administrativa, só lhes restam a guilhotina. E a bola da vez ficou os servidores contratados!!!

Muitos desses servidores, contratados sem concurso público, estão sendo postos para fora (muitos substituídos por novos contratados), sem qualquer respeito: sequer um aviso, uma explicação ou algo do tipo. É a tal da prerrogativa de que dispunha a administração para executar tal ato (poder disciplinar) sem mesmo comunicar o servidor (é o que acontece na prática).

O município através do prefeito oferece péssimo exemplo para a sociedade.

O pior é o funcionário contratado há anos quando da sua exoneração recebe uma justificativa de que está sendo substituído por servidor concursado e, constata, em seguida, que novos contratos ilegais estão sendo feitos com futuras vítimas de um sistema incompreensível e violento.

“Atendendo a inconfessáveis interesses, contrata-se sem concurso, paga-se o que se quer e quando se quer, invoca-se posteriormente a nulidade constitucional e rescinde-se o vínculo, sem maiores gravames, além da retórica do crime de responsabilidade” (Afonso Rique – advogado).

“O Estado empregador (o município) é, antes disso, um ente público, cuja razão de ser é o serviço da comunidade. Não é admissível, portanto, um Estado (município) ilegal, um Estado (município) que abuse da ordem jurídica, para, regressando no tempo, usar a mão-de-obra como nos tempos feudais. Sobretudo, não pode realizar tal empreitada sem ser incomodado pelo Judiciário, muito ao contrário, contando com o sopro de uma jurisprudência, permissa vênia, incoerente com a ordem jurídica vigorante, a causar prejuízos a grande parcela da comunidade, justo, a mais carente” (Silvonei Silva – Advogado).

É comum os administradores municipais contratarem ilegalmente servidores não concursados, demitindo-os após, sem qualquer direito e sem sofrer qualquer punição.

Tenho absoluta confiança de que teremos dias melhores: o funcionalismo municipal será respeitado e terá orgulho em trabalhar para o desenvolvimento e o progresso do município.

Por Glauber Frazão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *