POR MAGNO FREITAS: CODÓ E SUAS LUTAS NÃO REVELADAS

Ao celebrar todos os anos o aniversário do município os governantes sempre falam a mesma língua: emancipação política. Hoje não é diferente, o discurso continua o mesmo, mas você já parou para pensar o que seria emancipação política? 

Na verdade seria: direitos iguais em todas as condições. Será que os governantes fazem isso na prática? 

O Lixão é uma das maiores causas que nunca foi assistida pelo poder público municipal e agora querem esconder atrás de sua bandeira a luta que os munícipes vem travando anos e anos para viverem dias melhores.

Já dizia Paulo Freire (1996, p. 33);

Por que não há lixões no coração dos bairros ricos e mesmo puramente remediados dos Centros Urbanos? 

Diante dessa concepção posso dizer:  próximo da casa dos vereadores ou do prefeito. Será que assim eles resolveriam o problema do Lixão? 

Analisem geograficamente que todo o lixo está localizado nos bairros mais carentes (periferia), por isso, não há interesse de resolverem o problema, porque se as pessoas continuarem a viver no problema, eles (prefeito e vereadores) surgirão como detentores da solução. 

De acordo com o Governo Federal  era para as cidades atenderem a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) até agosto de 2014 a extinção dos lixões por meio de um aterro sanitário, uma emenda foi colocada para prorrogar o prazo somente para municípios com menos de 50 mil habitantes e Codó já tem mais de 122 mil habitantes, vocês não acham?

 Porém a atual administração nunca teve um plano de ações que pudesse tranquilizar a vida dos moradores. 

A lei n° 12.305/2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), constitui-se em instrumento essencial na busca de soluções para um dos mais graves problemas ambientais do Brasil, o mal destino dado aos resíduos sólidos, impondo a necessidade premente de substituir os lixões a céu aberto por aterros sanitários […].

O bairro Codó Novo é o bairro mais afetado pelo problema, isso já seria uma excelente ferramenta necessária no período de campanha para a velha guarda da política adquirir votos, e esse ano não será diferente. A situação que as famílias vivem hoje principalmente aquelas que estão em situações alarmantes continuam ouvindo a tradicional promessa de campanha política  de viver dias melhores. 

Codoenses!

Já contabilizaram o quanto foram gastos de dinheiro público de 2017 até 2019 como a praça de São Sebastião de $ 1 milhão e meio de reais, o calçadão de $ 800 mil, dentre outras desarticulacões, será que não seria o suficiente para tratar da saúde pública municipal principalmente solucionar o problema do Lixão do Codó Novo que vem afetando a vida de muitas famílias ao longo dos anos? Ou um Hospital Geral Municipal ( HGM ) com uma alta complexidade?

Pensem nisso, fomos enganados e seremos mas uma vez. Só iremos mudar essa realidade participando da democracia de forma radical e consciente. Parabéns Codó por seus 124 anos de lutas e conquistas”. 

Att. Magno Freitas  

Referência

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa / Paulo Freire. – São Paulo: Paz e Terra, 1996. – (Coleção Leitura) 11ª ed.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *