POR PEDRO JÚNIOR: PONTO E CONTRAPONTO NA POLÍTICA DE CODÓ

img-20161013-wa0288

Pedro Junior

Na nossa coluna ponto e contraponto, percebemos caminhos diferentes para o futuro, onde há uma mudança politica ainda que tímida, mas já demonstrada de forma diferenciada em Codó onde um administrador jovem vence de forma incontestável, um grupo tradicional e que detinha uma grande e enraizada forma de conquistar votos e permanecer no poder, mas que sofreu uma derrota para o novo.
O primeiro ponto a ser citado nessa analise é a forma de governo do atual prefeito, Zito Rolim, um gestor muito respeitado na região e que sofreu duras penas no âmbito do governo estadual, a administração de Flávio Dino, sacrificou substancialmente a maneira de governar de Zito, que tinha na sua promessa de campanha fazer um governo ainda melhor, e o vinha fazendo, mas pelos cortes do governo Estadual, da crise nacional, e a falta de recurso o debilitou, mas não o fez parar de realizar obras e assim, conquistar mais adeptos a sua forma de governar.
O tempo passa e chega à época de novas eleições e foram surgindo nomes, especulações e outras estratégias politicas, todos queriam Zito Rolim como cabo eleitoral, e nessa empreitada apenas um teria esse privilegio, e foi feito um acordo primordial com duas forças. A de um empreendedor e industrial Francisco Oliveira, o “Chiquinho” como é conhecido em Codó e em todo o Maranhão, o presidente do grupo FC, mostrou empenho em eleger seu herdeiro e com duas pretensões, melhorar sua imagem de empresário rígido e mostrar que pode ser popular.
Contudo, politica é acordo, e assim foi feito, primeiro especulação em torno de uma parceria entre Chiquinho do Saae e Fc Oliveira, algo que realmente não se constatou, e outras ventilações sobre união de Pedro Belo e o já testado e experiente ex-prefeito Bine Figueredo, outra aposta furada de especuladores, como sabemos que politica mexe com a vaidade todos continuavam na mesma linha de frente propondo suas próprias caminhadas, algo que poderia ser benéfico a esse nome novo de Francisco Nagib.
Eis que o tempo se estreita e saem cinco candidatos o do PSOL, outro do PDT o representante do 12, o ex-prefeito também embarca nessa pelo, 45, e o único que já se mostrava com essa pretensão, era o 65, só no último frigir de ovos que o 11, se definiu, então, começa a luta e justamente aquele que poderia fazer a diferença como seu apoio, mas que resolve entrar para briga por uma candidatura própria.
Todos muito apreensivos já tinham suas metas traçadas, e apoios vivenciados. No embate, Pedro Belo tentava agradar os jovens, e assim o fez, mas com a sua falta de apoio que foi explicita, prejudicou sua luta, mas o mesmo não desistiu e continuou na luta, para não se perder no encalço de nomes mais citados, mas com um peso maior, como o de Bine Figueredo, que por ter já governado a cidade estava em linha de frente, mas com o telhado fragilizado, por já ter governado a cidade, e por isso, já ter subsidio suficiente para conhecerem seus passos.
Acontece, a vaidade é um ingrediente salutar para o ego, e a politica é prova disso, todos atrás do poder, esse que muitas das vezes edificam lideres ou os deixam na lamuria e desacreditados como muitos que vemos hoje no contexto politico atual. Ser politico hoje é algo perigoso, mas muitos não desistem dessa intenção de governar, mesmo que isso possa o deixar sem a mesma credibilidade de outrora, mas politica é isso, um jogo invisível que nos toca e faz com que enfrentemos tudo, inclusive encarar uma provável derrota de frente.
A luta começa pelo candidato, Rafael do PSOL, no seu discurso sempre muito simples mais focado na educação e planos de carreira, mostra que sua luta é por melhorias sociais, e foi representando seu partido para a tão sonhada cadeira ao executivo, mas a dificuldade é grande pela proporção de outros candidatos. Rafael, um jovem audacioso e determinado, seguiu no rumo certo, edificando seu nome para quem sabe um futuro próximo, afinal a juventude é um de suas bandeiras, e melhorias justas no mercado de trabalho, e assim foi lutando isoladamente mais começando um pequeno reduto que poderá crescer.
Já o candidato Chiquinho por se definir muito tarde, já entrou na corrida com uma desvantagem, mas isso, não quer dizer que entrou perdendo, apenas teria que ter mais trabalho que os outros para conseguir se sobressair nas suas pretensões, e ele o fez. Chiquinho do SAAE, como é conhecido, tem no seu bojo, a simplicidade, e é conhecido por cumprir o que diz, nessa bandeira foi conquistando seu eleitorado, que a cada dia crescia, ele tinha um discurso mais claro e simples de falar, agradava a população, contudo, isso não é o suficiente para se eleger, mas foi surpreendente sua votação, pelo tempo, pela falta de recursos e tudo mais, foram 4.360 mil votos, algo significante para um candidato em sua primeira campanha para prefeito.

Outros caminhos seguia Pedro Belo, que teve seu enfoque na juventude, e essa o acompanhou durante muito tempo, em todo o trajeto eleitoreiro, mas houve algumas controvérsias na sua campanha, chegar ao Pedro Belo era muito mais difícil, que chegar a qualquer outro candidato, ser ouvido por Nagib e Bine, era muito mais fácil, a falta de acesso ao candidato fragilizou muito sua campanha, e isso ouvi de muitos. Mas várias outras coisas o penalizaram, a omissão do governo, o recurso escasso, e a falta de apoio da máquina pública municipal.
Essa falta de apoio municipal já era esperada, o nome de Pedro sempre foi muito respeitado e desejado, mas como vice em qualquer chapa, algo que ele sabiamente o fez em não aceitar tal pretensão de outros, afinal ele provou a todos uma característica, a determinação, ao lutar por um sonho e teve um número de votos considerável, de 5.924, o que lhes da credibilidade como o opositor mais forte na atual conjectura politica de Codó.
Em falando de opositor, a força mais temida dessa eleição foi o senhor Bine Figueredo, esse é sabidamente politico, mas, já não conseguia atingir a principal força politica da cidade, a juventude, ele chegava muito tranquilamente as classes de baixa renda e com seu jeito sorridente era muito bem recebido por onde andava, principalmente na zona rural, mas nem só de simplicidade vive o homem, esse sabe os percalços políticos como ninguém, mas se sacrificou como o único nome forte da família para concorrer ao carco maior da cidade, seus sucessores ainda não tem a sua maestria politica, e, nem chega perto do seu jeito simples de conquistar votos, a sua vice sem muita expressão não o deu um rumo melhor para seu nome, mas era um nome bom socialmente, mas em politica o que vale é voto e isso faz a diferença positiva, ou negativa.
Bine, tinha algo ruim na sua trajetória, e isso foi explicitado diuturnamente na campanha eleitoral, fazendo o povo sedento de ética e mudanças, acordar de velhos pesadelos, que os seus adversários deixaram vir a tona o que a população tinha esquecido, mesmo esse tendo o maior apoio na cidade do governo estadual, teve mais afago até mais que o candidato do partido e concorrente o vereador, Pedro Belo, mas que seguiam no mesmo rumo, isso causou desconforto a ambos os candidatos de oposição, mesmo com o senhor Bine dentro de suas faculdades mentais perfeitas, o corpo não acompanha mente, e isso, o tempo o fez ele diminuir o ritmo.
O ritmo que outrora, ele uma qualidade agora foi um sacrifício, por isso ele não chegou a ir a lugares que poderiam fazer a diferença, assim, o rumo foi tomado e Bine foi surpreendente, até para os mais pessimistas com seus 20339 vinte mil e trezentos e trinta e nove votos, mas que fora superado pena juventude e empreendedorismo de seu principal opositor Nagib.
CONTRA PONTO
O contra ponto fica por Francisco Nagib, jovem arrojado, jeito moleque mas muito sério, um mesclado de menino e homem de negócios, um executivo competente, foi a forma certa para conquistar a confiança que até então era muito questionada pelos codoenses, por vários motivos, as vezes poéticos, outras vezes ilusórios e ainda o questionamento e o jeito firme de seu pai em lhe dá com a forma de gerir seu empreendimento.
Para muitos Nagib podia ser um filho obediente e que não teria pulso para se firmar no poder, já outro o tinha como um playboy arrogante, mesmo sem o conhece-lo, coisas que foram desmitificada durante a campanha, o senhor Chiquinho foi o grande ponto da eleição do Filho, mesmo de longe, agia como uma águia com olhos voltados aos detalhes e diagnosticando cada passo de seu pupilo, e observando o que pudesse, desde as reações do povo, homem experiente e visionário, foi o principal articulador e que fez com que o principal homem politico de Codó, Zito Rolim, tomasse uma decisão primordial, que era a caminhar junto a seu filho para esse árdua labuta eleitoral.
Zito, foi um ponto determinante na vitória de Francisco Nagib, e o mesmo sempre reconheceu isso, tudo estava funcionando no jeito certo, mas a população e nem sua equipe de marqueteiros passava a imagem de Nagib como o homem que podia governar Codó, ai surge uma essencial e certeira decisão do pretenso candidato, foi a de se tornar mais simples e chamou pessoas imprescindíveis para sua campanha, pessoas simples e lideranças da cidade e nessa empreitada, Nagib, começou a crescer substancialmente, e seus vereadores também tiveram esse louvor, brigaram verdadeiramente pelo seu líder, mas a força guerreira de sua esposa, Agnes, que foi determinante, coisas que a mulher certa faz ao seu companheiro para chegar ou principal, a vitória.
Mas, não era só isso, a sua campanha precisava tomar folego e superar seus rivais e foi aos poucos conseguindo, tido como “Doria Jr do Maranhão” por ser empreendedor, Nagib, passou a pegar a fama de homem que faz, e em comparação a seu principal rival, fez diferença, pois o grupo FC Oliveira, soma conquistas e seu rival passava por problemas em suas empresas com dificuldades administrativas, como foi explicitado nas campanhas, como era de se imaginar por causa da crise e pela falta de audácia no comando para driblar o mal atual do Brasil, a crise.
O povo passou a perceber que Nagib poderia ser o diferencial, e o empreendedorismo foi superando o medo, na luta do real com o imaginário, de um lado real, que seria o jeito de trabalhar, inovar, e conquistar, o imaginário que seria pensar que ele poderia acabar com muitas obras simples, e tiraria empregos de moto taxistas e acabarem com mercados e feirinhas, coisas que eram espalhadas pelos adversários e que aos poucos foram desmistificadas, pela sua agora campanha de marketing que passou a ser certeira, afinal ele é empreendedor e quanto mais trabalho, mais produtos ele vende, assim como o rio segue para o mar, Nagib quer o povo mais afortunado para crescer ainda mais com seus projetos, pois é assim que todo empresário pensa.
Cabe agora ao prefeito eleito como uma votação excelente de 24.359, vinte e quatro e trezentos e cinquenta e nove votos, serem agora um líder, um homem que pode mudar a historia de Codó, superando inclusive seu padrinho politico, Zito Rolim, se ele souber aliar o trabalho ao carisma, conseguirá de forma fácil chegar ao ponto principal, fazer seu nome ficar na historia de Codó, cidade que por muito tempo o crucificou por ele ter o sucesso , algo que seria exaltado em muitos lugares, em Codó foi tido como um significado diferente, mas agora é a hora onde ele pode provar que um empreendedor pode ser justo e eficaz e mudar o seu município ao maior grau de crescimento já visto em Codó.

Por Pedro Junior, colunista politico e comunicólogo.

3 comentários em: “POR PEDRO JÚNIOR: PONTO E CONTRAPONTO NA POLÍTICA DE CODÓ

  1. ESSE AÍ TÁ QUERENDO LEVANTAR O MORTO,PEDRO BELO NÃO TEM PRESTÍGIO NEM NAS SUAS TERRAS,E ESSA VOTAÇÃO QUE ELE OBTEVE QUE NA VERDADE FOI SÓ MESMO PARA ATRAPALHAR,POIS NA CIDADE HÁ MESMO RUMORES QUE ELE GANHOU UMA GRANA PARA NÃO SAIR DE VICE DE BINÉ,OS DOIS SÃO ALIADOS DO GOVERNADOR QUE NÃO ESTÁ NADA SATISFEITO COM O P.BELO,E MAIS,ISSO NÃO SIGNIFICA QUE O PEDRO BELO TERÁ ESSES VOTOS AINDA,DEPOIS QUE A GALERA MATOU A CHARADA DA GRANA QUE ELE GANHOU PARA ENTREGAR A ELEIÇÃO PARA FC,ESTÁ SENDO MUITO ODIADO PELOS ELEITORES CODOENSES,É MELHOR TIRAR O CHAPÉU PARA BINÉ QUE NA VERDADE É O POLÍTICO DE CODÓ,BELO NÃO É NADA COM ESSE PENSAMENTO EGOÍSTA,BINÉ COM ESSA IDADE E SEM NENHUMA MÁQUINA ATINGIU MAIS DE 20 MIL VOTOS,ESSE SIM MERECE NOSSA ADMIRAÇÃO,P.BELO NÃO SOUBE ADMINISTRAR NEM A UPA E OUTRAS AREAS DO ESTADO AÍ EM CODÓ.OUTRA NO GRUPO DE BINÉ TEM PESSOAS INFLUENTES QUE SEMPRE SAIRÃO NA FRENTE DE BELO E DE OUTROS: RICARDINHO,DR.ZÉ FRANCISCO E MUITOS OUTROS,CAMILO ASSUMIRÁ EM BREVE A VAGA NO LUGAR DO DEPUTADO ROBERTO COSTA ,PREFEITO ELEITO DE BACABAL E ISSO DAR MAIS FÓLEGO E AUMENTA MAIS A MORAL COM O GOVERNADOR,QUE AGORA VAI COM CERTEZA TOMAR PROVIDENCIAS E OLHAR MELHOR PARA SEUS ALIADOS PORQUE ESSE PREFEITO AÍ NÃO É DO AGRADO DO GOVERNADOR,É ALIADO DO DEPUTADO JOÃO MARCELO QUE ESCULACHOU NA TRIBUNA DA CÃMARA FEDERAL COM O GOVERNADOR,MAS VEJA BEM FILHO DE QUEM É,DE JOÃO ALBERTO,SINONIMO DE ATRASO PARA NOSSO ESTADO,PODE AGUARDAR QUE ALGO VEM PELA FRENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *