PREFEITURA E CREAM REALIZAM PALESTRA PARA ALUNOS DA POLÍCIA MILITAR EM CAXIAS

12348095_869592456493112_7047116320847530069_n

Encontro

A Prefeitura de Caxias, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres, e do Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CREAM), ministrou na manhã desta sexta-feira (4), no auditório do 2º BPM, uma palestra com o tema feminicídio para cerca de 70 alunos do quadro de formação da Polícia Militar do Maranhão.

Feminicídio significa o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher. A palestra faz parte da programação da campanha dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra mulher, que foi ministrada pela coordenadora Edinalva Ribeiro e a advogada Francisca Samara, ambas do CREAM.

“A cada uma hora e meia ocorre um feminicídio no Brasil”, afirmou Ednalva. Ela ainda falou para os alunos sobre a origem do termo feminicídio, sobre as estatísticas da violência contra mulheres no nosso município, explicou em quais contextos o crime acontece, frisou o que diz a lei brasileira e apresentou propostas para reduzir os índices.

Para conscientizar

As motivações mais usuais para o feminicídio são o ódio, o desprezo ou o sentimento de perda do controle e da propriedade sobre as mulheres, comuns em sociedades marcadas pela associação de papéis discriminatórios ao feminino, como é o caso brasileiro.

O Brasil é o 16º país a contar com uma lei específica para esse tipo de crime, e é mais abrangente que de outros países latinos. “A nossa lei trata de casos de feminicídio íntimo, quando ocorre no ambiente doméstico e o assassino tem vínculo familiar com a vítima, e de casos de feminicídio não íntimo, quando ocorre por discriminação à condição de mulher”, explicou Francisca Samara.

Na maioria dos casos, o crime não é cometido por qualquer homem e sim por aquele que diz amar a mulher. “Tivemos um avanço muito grande, mas precisamos avançar ainda mais. Precisamos ter os olhos voltados para as consequências de um crime avassalador. Você não acaba com uma pessoa, acaba com uma família inteira”, enfatizou Ednalva Ribeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *