VICE- PREFEITO DE SÃO LUIS ROBERTO ROCHA PODE PULAR DO BARCO CONDUZIDO POR FLÁVIO DINO

1509701_650014681708627_2124087286_n

Roberto e Eliziane

A indefinição de quem será o candidato ao Senado
Federal na majoritária do pré-candidato por uma parte da oposição ao governo
estadual em 2014, Flávio Dino (PCdoB), pode levar o vice-prefeito de São Luís,
Roberto Rocha (PSB), a disputar a vaga pela chapa da deputada estadual Eliziane
Gama (PPS

De acordo com informações do colunista Felipe Patury, de Época, a pré-candidata
ao governo do Maranhão pelo PPS, traçou como estratégia prioritária ter o apoio
do PSB de Rocha. Neste domingo (15), ela se reuniu com a ex-senadora Marina
Silva, após o seminário da Rede Sustentabilidade, em Brasília. As duas são
amigas.

Nesta segunda-feira (16), Eliziane Gama conversará com o governador de
Pernambuco, o presidenciável pelo PPS Eduardo Campos, em Recife. Em apenas duas
semanas, será o segundo encontro entre Eliziane e Campos, há dois meses atrás
grande aliado da comunista Flávio Dino.

Ainda segundo Patury, enquanto Luis Fernando Silva e Flávio Dino se engalfinham
para ter o apoio do PT maranhense, as duas novas viagens da parlamentar teriam
como motivação encaixar o vice-prefeito de São Luís como candidato ao Senado na
sua chapa. Além de Gama, Rocha também trabalha pela consolidação da dobradinha.

Embora seja conhecido como ‘Cavalo de Troia’ na oposição dinista, Roberto Rocha
teria como justificativa para pular de barco a falta de palavra e reafirmação
de uma aliança feita entre ele, o prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior
(PTC), o deputado federal Weverton Rocha (PDT) e Dino. Em recente entrevista ao
O Globo, o presidente da Embratur chegou a declarar que a vaga para o Senado
seria do PSB, mas não deixou claro quem a ocuparia.

Com a recente mudança de posicionamento de Flávio Dino em relação ao tucano
João Castelo, Rocha teme que um outro acordo, feito entre ele, o comunista, o
prefeito de Balsas Rochinha e o ex-governador José Reinaldo Tavares acabe sendo
também deixado pra trás, em nome de um suposto ‘não-coronelismo’ dinista, após
uma declaração do pré-candidato ao governo do Estado de que as vagas dos
partidos aliados na chapa da oposição serão definidas em discussões e consenso.
Fonte Marcelo Vieira

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *